Três em cada dez brasileiros ainda utilizam crediário, revela estudo divulgado pela CDL Petrópolis

Entre as vantagens apontadas pelos entrevistados estão a possibilidade de parcelar gastos e fazer compras mesmo sem dinheiro. Para lojistas, fidelização do cliente também é um fator importante

Apesar de o cartão ser a modalidade de crédito mais utilizada pelo consumidor, o crediário ainda é adotado por uma parcela significativa da população brasileira. Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que três em cada dez consumidores (27%) utilizaram o crediário para fazer algum tipo de compra no último ano — seja por meio dos cartões de loja ou dos populares carnês e boletos. O levantamento também revela que as mulheres são as que mais recorrem a este tipo de modalidade (31%), além das classes C,D e E (27%).

Para o presidente da CDL Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, a venda através do popular carnê é boa para lojistas e consumidores, desde que sejam adotadas algumas práticas de prevenção.

– Eu sempre vendi pelo crediário e acho muito importante para o empresário, primeiramente para fidelizar o cliente que todo mês volta à loja para pagar o carnê e pode até comprar mais, sem falar que nesse tipo de venda a prazo não incidem taxas para o lojista, como na venda por cartão de crédito ou débito. Já o consumidor encontra menos burocracia e mais flexibilidade. Porém, tanto o lojista quanto o consumidor precisam se precaver. Quem vende, deve consultar os sistemas de informação que a CDL Petrópolis oferece para se prevenir da inadimplência, assim como o consumidor precisa controlar muito bem suas dívidas, para não comprometer seu orçamento – explica Luiz Felipe.

Para 26% das pessoas ouvidas pelo estudo — e que utilizaram essa forma de pagamento nos últimos doze meses —, o crediário é uma boa opção de pagamento porque permite o parcelamento das compras. Outros 22% enxergam a vantagem de poder fazer compras mesmo sem ter dinheiro e 21% buscam mais prazo para pagar.

Outro dado aponta que, nos últimos 12 meses, 20% utilizaram o crediário menos de três vezes ao ano, enquanto 18%, três vezes ao mês. Embora o uso do crediário esteja restrito a minoria dos consumidores brasileiros, o público que contrata um cartão de loja ou o popular carnê ainda utiliza com frequência essa modalidade de pagamento.

Considerando os que recorreram a essa modalidade no período, 56% afirmaram ter algum crediário em aberto. Entre aqueles que souberam informar quantos crediários possuem atualmente, a média é de dois por pessoa.

Ainda entre os que compraram com carnê, boleto ou cartão da loja, 39% disseram que recorreram ao crediário por não ter condições de realizar a compra pagando à vista, em dinheiro. Já 17% aderiram a essa forma de pagamento porque não tinham limite no cartão de crédito, 13% em razão da  pouca burocracia e 11% para fazer mais compras.

Considerando a quantidade de parcelas da última compra no crediário, o estudo mostra que as pessoas ouvidas optaram por dividir em uma média de seis vezes. Já entre aqueles que têm alguma parcela pendente de pagamento no momento, 11% sinalizaram que estão com uma média de três prestações em atraso.

Quando o assunto é inadimplência, no entanto, ainda há um histórico considerável de pessoas registradas em órgãos de restrição ao crédito entre os entrevistados: 58% responderam já ter ficado com nome sujo por falta de pagamento de parcelas do crediário. Destes, 33% regularizaram sua situação e 25% ainda estão negativados. Em contrapartida, 41% nunca ficaram com nome sujo por esse motivo.

Foram entrevistados 910 consumidores no mês de março, nas 27 capitais brasileiras, acima de 18 anos, de ambos os gêneros e de todas as classes sociais. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais para uma confiança de 95%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *