CDL alerta para o golpe da máquina de cartão de crédito

Fraude gera grandes prejuízos no comércio, acontece em várias cidades e se dá graças à desatenção do lojista ou de seus colaboradores.

 

As vendas com cartão de crédito ou débito são cada vez mais comuns no varejo brasileiro. Fechada a venda, o consumidor entrega um cartão ao lojista ou ao seu funcionário. Este  o insere numa máquina que, em muitos estabelecimentos, é entregue nas mãos do consumidor para que ele digite a senha.

Esse procedimento normal, corriqueiro, pode ser o início de uma fraude capaz de provocar grandes prejuízos ao comércio, isso porque golpistas estão distraindo lojistas e colaboradores nessa hora para que possam trocar a máquina da loja por outra dos fraudadores fazendo com que, a partir de então, todas as vendas daquele estabelecimento passem a ser creditadas na conta dos golpistas.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, faz um alerta aos comerciantes.

– Parece incrível que a criatividade dos criminosos tenha chegado a tanto, mas a verdade é que esse golpe vem sendo aplicado há tempos em várias cidades do Brasil e ele só é possível graças à desatenção, seja porque o movimento da loja é grande naquele dia, seja porque outros membros da quadrilha distraem a atenção de quem está fechando a venda. Por isso, a CDL Petrópolis resolveu lembrar aos lojistas de que todo cuidado é pouco para que novos casos não ocorram – afirma Luiz Felipe.

O grande alvo dos golpistas são as empresas que possuem mais de uma máquina de cartão sem fio, sendo que os postos de combustível são muito vulneráveis, inclusive pela grande movimentação, além do fato de que em muitos casos a máquina é entregue na mão do consumidor que muitas vezes nem sai do carro.

Para que o golpe dê certo é preciso distrair o lojista ou funcionário, seja numa conversa amigável informal ou fazendo algum pedido. Isso é preciso para que a pessoa ou algum comparsa possa trocar a máquina da loja por uma que ele traz consigo sem que ninguém perceba.

Em alguns casos os fraudadores passam a compra na máquina deles ou, para serem mais rápidos, informam que houve um problema com o cartão e pagam em dinheiro, sempre deixando o equipamento falso na loja.

Assim a loja vai usar a máquina falsa e tudo que for vendido a partir de então será direcionado para a conta dos golpistas e isso pode significar um grande prejuízo caso o lojista não esteja atento aos dados impressos nos seus comprovantes e não tenha um controle rigoroso das suas vendas com cartão.

Por isso o alvo preferencial dos fraudadores são as lojas com mais de uma máquina de cartão porque a “queda no faturamento” não chamará atenção tão rapidamente como na loja que só tem uma máquina já que, nesse caso, o lojista vai perceber mais depressa que suas vendas com cartão não estão sendo creditadas.

As contas para onde são direcionados os créditos das vendas registradas nas máquinas falsas geralmente estão em nome de “laranjas” e, em alguns casos, para não correrem o risco de bloqueios nas contas por parte dos bancos, os golpistas solicitam antecipação dos recebíveis e sacam rapidamente os valores.

Outra modalidade de golpe com as maquinas de cartão de crédito consiste na visita de falsos técnicos trazendo equipamentos para serem substituídos. Por isso, é importante ficar atento a manutenções não solicitadas checando sempre a identidade dos técnicos e ligando para as empresas fornecedoras dos equipamentos.

Atenção e cuidado são as melhores armas para se proteger desses golpes. Atenção à maquina de cartão de crédito na hora em que o cliente estiver digitando a senha e cuidado para que o equipamento não fique em local de fácil acesso a pessoas estranhas. Outra medida eficaz é colocar alguma marca identificadora nas máquinas,  além de manter uma rotina de conferência regular das vendas com cartão, nem que seja a simples checagem do número do CNPJ nos comprovantes das vendas do dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *