Ikonic Institute oferece cursos com desconto para associados CDL

Aulas dos cursos rápidos começam agora em outubro e em fevereiro de 2018
haverá outro com 10 meses de duração.


         A Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis e o Ikonic Institute, que tem à frente o professor Fernando Santi, estão oferecendo cursos de Inteligência Emocional, Programação Neurolinguística e uma Certificação Internacional em Coaching Sistêmico, com descontos de 20% para os associados da CDL Petrópolis. Para o presidente da entidade empresarial, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, trata-se de uma grande oportunidade para os associados.

– Eu não tenho dúvidas de que se trata de uma excelente chance para os empresários da nossa cidade ampliarem o seu leque de conhecimentos. Não é a primeira vez que a CDL abre as portas para o professor Fernando Santi que tem realizado cursos com grande aproveitamento em nossa entidade e dessa vez, estou certo, não será diferente – afirma o presidente da CDL Petrópolis.

O curso de Inteligência Emocional, que consiste na capacidade de reconhecer e gerenciar nossas emoções e as dos outros, saber motivar-se e administrar os nossos relacionamentos pessoais, começa no dia 19.10 e terá a duração de quatro quintas-feiras, sempre de 19 às 21 horas.

O curso de Programação Neurolinguística, que proporciona uma compreensão profunda do funcionamento da mente, permitindo maior equilíbrio e controle nos aspectos físico, mental e espiritual, fazendo com que a pessoa seja capaz de transmitir mensagens de forma clara e decisiva, acontecerá aos sábados e domingos, de 9 às 18 hs, começando em 21.10.

Em fevereiro de 2018, começa o curso de Certificação Internacional em Coaching, que terá a duração de 10 meses, com aulas aos sábados das 9 às 18 horas.

Fernando Santi, que ministrará os cursos, atua como professor de Programação Neurolinguistica, coaching e hipnose há mais de 18 anos. Já formou mais de 3 mil alunos e conta com mais de 10 mil horas de experiência em atendimento como Coach e Terapeuta.

As aulas acontecerão no auditório da CDL, na rua irmãos D`Angelo, 48 sobreloja. Inscrições e maiores informações em www.ikonic.com.br/pnl ou pelo WhatsApp (11) 96502-4233.

Pesquisa aponta ligeiro aumento da confiança do consumidor

Levantamento revela ainda que 40% dos consumidores avaliam sua vida financeira como ruim e 79% estão pessimistas com a economia do país.

 

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis divulgou os dados do Indicador de Confiança do Consumidor (ICC) do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Pelo segundo mês consecutivo, a confiança do consumidor voltou a crescer e atingiu 42,3 pontos em agosto, ante os 41,4 pontos em julho. A pesquisa mostra que o consumidor brasileiro segue cauteloso: 40% avaliam, no momento atual, sua vida financeira como ruim e apenas 12% como boa – já para a avaliação da economia, o percentual dos que acreditam estar ruim sobe para 79% e o de otimistas apenas 3%.

O presidente da CDL Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza faz uma análise desses dados.

– É importante que a confiança do consumidor esteja voltando, ainda que timidamente. Mas nesse momento é preciso ser realista. Esses números também revelam que os brasileiros enfrentam dificuldades sérias na administração do seu orçamento, principalmente para honrar seus compromissos financeiros, em função de um índice de desemprego alarmante, entre outros fatores. Para o varejo é importante olhar para esses números e buscar soluções de mercado para esse momento particular da nossa economia. Precisamos vender, sem dúvida, é fundamental manter a economia funcionando, mas precisamos planejar corretamente e para isso é necessário que, nesse segundo semestre, a retomada econômica avance – avalia Luiz Felipe.

Os dados do Subindicador de Condições Atuais, que registrou 30,1 pontos em agosto ante 30,2 pontos em julho, mostra que entre aqueles que avaliam o clima econômico como ruim, os principais sintomas são o desemprego elevado (49%), o aumento dos preços (25%) e as altas taxas de juros (8%).

Já quando se trata de responder sobre a própria vida financeira, o orçamento apertado e a dificuldade de pagar as contas são as principais razões para considerar a vida financeira ruim, apontadas por 36% desses consumidores. Os entrevistados mencionam também o desemprego (32%), a queda da renda familiar (17%), a perda de controle financeiro (5%) e imprevistos (4%).

A sondagem também procurou saber o que os brasileiros esperam do futuro da economia do Brasil e da sua própria vida financeira. Considerando as expectativas dos consumidores para a economia, apenas 21% disseram estar otimistas com os próximos seis meses, ao passo que 34% disseram estar pessimistas. De acordo com o indicador, 28% dos pessimistas com a economia não têm boas expectativas por acreditar que a corrupção atrapalha o desempenho do país. Outra razão citada é o alto nível de desemprego que ainda se nota (20%). Também se menciona a discordância com a atual política econômica (17%); o fato de as instituições e leis não favorecerem o desenvolvimento do país (13%) e a alta dos preços (10%).

No caso das expectativas para a vida financeira, 60% manifestaram boas expectativas para a vida financeira e 10% manifestam expectativas ruins ou muito ruins. Apesar disso, a maior parte dos consumidores otimistas não sabe ao certo justificar as razões do otimismo (37%). Há, no entanto, 27% que respaldam sua posição na perspectiva de conseguir um novo emprego ou promoção; 11% que acreditam que a economia irá melhorar, 8% que dizem estar investindo na profissão e 8% afirmam ter feito uma boa gestão das finanças.

Para quase metade dos consumidores (52%), o que mais tem pesado na vida financeira familiar é o custo de vida e é nos supermercados que os consumidores mais percebem o aumento dos preços: 75% notaram que os preços aumentaram nesses locais em agosto, em comparação ao mês anterior. Para 75%, também aumentaram as tarifas de combustíveis (em julho o percentual era de 41%). Ainda houve a percepção de aumento dos preços de roupas e calçados (50%), bares e restaurantes (47%) e telefone fixo/celular (46%).

Foram entrevistados 801 consumidores, a respeito de quatro questões principais: 1) a avaliação dos consumidores sobre o momento atual da economia; 2) a avaliação sobre a própria vida financeira; 3) a percepção sobre o futuro da economia e 4) a percepção sobre o futuro da própria vida financeira.

CDL Petrópolis firma convênio com o Creci

Corretores terão isenção de taxa de inscrição, preços especiais, acesso ao cartão benefícios e outras vantagens ao se associarem à entidade

 

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis e o Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado do Rio de Janeiro (1ª Região) acabam de estabelecer uma parceria que trará vários benefícios aos corretores de imóveis que se associarem à CDL. Além de preços especiais nos serviços prestados pela entidade, os novos associados corretores de imóveis, a partir de agora, estarão isentos da taxa de inscrição e obterão como crédito em consultas, o valor da primeira mensalidade, limitado a R$ 47,00. Eles receberão ainda, gratuitamente, o cartão CDL Benefícios, que dá direito a descontos e condições especiais numa rede de mais de 100 empresas locais conveniadas.

Para o presidente da CDL Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, o convênio com o Creci é de suma importância para estreitar o relacionamento entre as entidades.

– O Creci dispensa apresentações. Não se discute sua credibilidade, tão pouco a sua importância para a formação profissional e atuação dos corretores de imóveis, da mesma forma que a CDL Petrópolis consolidou-se em mais de 55 anos de atuação na cidade como uma das mais respeitadas entidades da sociedade civil organizada. Por isso é muito importante que nós possamos firmar essa parceria abrindo as portas da CDL aos corretores da cidade que terão agora muito mais segurança na hora de fechar negócios, ao consultar as informações de crédito e cadastro de pessoas físicas e jurídicas no banco de dados mais completo do país – explica Luiz Felipe.

O convênio prevê ainda o fornecimento do Cartão CDL Benefícios para dependentes dos corretores de imóveis associados, com o pagamento de uma pequena anuidade.

Para maiores informações basta ligar para o Departamento Comercial da CDL Petrópolis através do telefone 2244-1911.

Associado da CDL Petrópolis tem facilidade para protestar devedores

Convênio permite que filiados à entidade não paguem os custos iniciais do processo de protesto

As estatísticas dos serviços de informações de crédito administrados pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis apontam que, no mês de julho de 2017, 35% das consultas feitas ao SPC Brasil apresentou algum tipo de problema que poderia causar inadimplência. Quem vende a prazo sem consultar o histórico do consumidor corre o risco de não receber e, num cenário de crise econômica, essas dívidas podem ficar muito tempo sem serem pagas gerando grandes prejuízos aos empresários.

Quando isso acontece, o caminho acaba sendo o do protesto junto ao cartório. Pensando nisso, a CDL Petrópolis firmou um convênio com o Instituto de Estudos de Protestos de Títulos do Brasil, Seção RJ, que traz uma economia considerável aos seus associados viabilizando que empresas e profissionais liberais possam recuperar valores de inadimplentes, promovendo o protesto de títulos.

O grande benefício oferecido aos associados da CDL Petrópolis é que, através desse convênio, os filiados à entidade não precisarão pagar para dar início ao processo de protesto. O presidente da CDL Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, destaca a importância desse diferencial para os associados.

– A inadimplência é um problema muito grave para a atividade empresarial e nós sabemos também o quanto as condições econômicas do país na atualidade têm produzido um aumento preocupante no número de devedores. Apesar de todo o esforço de cobrança amigável, chega um  momento em que o registro no SPC Brasil e o protesto se tornam necessários. Nessa hora, o empresário descobre que tem que pagar valores elevados só para dar entrada no processo de protesto. Com esse convênio, nossos associados não precisarão mais pagar adiantado para receber o que lhe devem – explica Luiz Felipe.

Para que o associado à CDL Petrópolis possa usufruir dos benefícios desse convênio, será preciso assinar um termo de adesão, diretamente na sede da entidade ou, imprimindo o formulário que está disponível no site www.cdlpetropolis.com.br.

Os títulos de crédito que podem ser protestados são diversos, desde notas promissórias, duplicatas e até contratos ou um cheque, nesse caso, respeitando-se as limitações legais que se referem à alínea que determinou a devolução e aos prazos específicos do cheque, de acordo com as normas do Banco Central.

Para maiores informações, basta ligar para a CDL Petrópolis, através do telefone 2244-1900.

CDL e FASE firmam convênio que vai além do desconto para associados, funcionários e dependentes em cursos da faculdade

Parceria envolve pesquisa para definir perfil dos empresários, suas demandas de aperfeiçoamento profissional, oferecimento de consultoria, cursos e palestras, além de 20% de desconto em alguns cursos

 

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis e a Faculdade Arthur Sá Earp Neto (Fase), assinaram na última quinta-feira, dia 27 de agosto, um convênio que prevê o oferecimento de 20% de desconto para sócios e representantes das empresas associadas à CDL Petrópolis, seus funcionários ativos e dependentes diretos nas graduações em Administração, Enfermagem, Nutrição e Psicologia, além dos cursos superiores de tecnologia em Gestão Pública, Gestão de Recursos Humanos e Radiologia.

Para o presidente da CDL Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, além da oportunidade de oferecer educação de qualidade para associados, funcionários e dependentes, essa parceria traz um diferencial que é de fundamental importância para o desenvolvimento da atividade empresarial na cidade.

– Nós teremos a oportunidade de contar com o know how e o talento dos professores da Fase para desenvolvermos instrumentos de pesquisa e avaliação da atividade empresarial, identificando demandas por cursos e palestras, além do oferecimento de consultorias que serão capazes de trazer um ganho de qualidade extraordinário para nossos associados – avalia Felipe.

O Coordenador dos cursos de gestão, professor Levi Pereira de Souza, representando a diretora e supervisora geral da Fase, Maria Isabel de Sá Earp de Resende Chaves, destacou a filosofia do convênio que é a aproximação necessária entre os setores empresariais e a Academia, buscando reafirmar o conceito de cidade universitária para Petrópolis.

– Sem dúvidas, além da capacitação dos empresários associados à CDL Petrópolis, o convênio vai proporcionar uma riquíssima troca de experiências em gestão que será excelente tanto para a Academia quanto para o mercado. Isso representa uma oportunidade de desenvolvimento local da cidade que, eu tenho certeza, marcará Petrópolis de uma forma muito positiva. É fundamental para a economia, especialmente nesses tempos difíceis, essa junção de forças porque, na verdade, só a união do empreendedorismo e da gestão conseguirá desenvolver o país – afirma Levi.

O professor destacou ainda que o curso de Administração da Fase, segundo as avaliações oficiais do MEC, é um dos mais conceituados do país e já está entre os três melhores do estado do Rio de Janeiro.

Participaram ainda do evento de assinatura do convênio os professores Rodrigo Alves Lopes e Humberto Medrado, além da professora Luciene Lopes Baptista, todos do curso de Administração e que integram o NIREM, Núcleo de Inovação e Relacionamento com o Mercado, da Fase.

Os associados da CDL Petrópolis que desejarem usufruir dos descontos oferecidos pelo convênio precisarão procurar a entidade e solicitar uma declaração que deverá ser apresentada na secretaria da Faculdade no momento da matrícula. Para maiores informações, basta ligar para 2244-1900.

Entrega da ECF vai até 31 de julho e precisa de Certificado Digital

CDL Petrópolis lembra aos empresários que para remeter os dados da Escrituração Contábil Fiscal ao Fisco é necessário o uso da certificação digital.

          Termina no final deste mês o prazo legal para que as empresas optantes do Lucro Real, Lucro Presumido, Lucro Arbitrado e aquelas imunes ou isentas, apresentem a Escrituração Contábil Fiscal (ECF) no Sistema Público de Escrituração Digital, SPED, constando todas as operações que compõe a base de cálculo do Imposto de Renda Pessoa Jurídica e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), autenticando as informações através do uso do Certificado Digital.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, ressalta a importância da modernização das relações com o Fisco representada pela adoção dos certificados digitais e lembra que a CDL está apta a fornecer a certificação aos empresários, contabilistas e demais interessados.

– Nós da CDL Petrópolis nos preparamos para oferecer mais essa comodidade aos nossos associados, aos empresários em geral e a toda a sociedade. Dispomos de um Agente de Registro atendendo em nossa sede de segunda a sexta-feira para que essa importante modernização do sistema tributário brasileiro esteja acessível a todos. Os certificados digitais não apenas facilitam a vida do empresário na sua relação com o Fisco, como dão mais segurança às transações realizadas no ambiente virtual da internet – explica Luiz Felipe.

No que se refere à ECF, essa obrigação foi implantada pela Receita Federal no ano-calendário de 2014 para substituir a Declaração do Imposto de Renda Pessoa Jurídica de algumas empresas, com exceção daquelas optantes pelo Simples Nacional, autarquias, fundações, órgãos públicos e as empresas inativas.

Para maiores informações sobre a certificação digital da CDL basta ligar para 2244-1900 ou enviar e-mail para [email protected]         

Pesquisa da CDL e do SPC Brasil aponta ineficiência das empresas que prometem “limpar o nome” do consumidor inadimplente

Segundo o levantamento, em 60% dos casos, esse tipo de empresa não resolve o problema. CDL Petrópolis lembra que não há como deixar o cadastro de inadimplentes sem negociar a dívida.

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis acaba de divulgar um levantamento feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com brasileiros inadimplentes e pessoas que estiveram nesta situação em algum momento nos últimos 12 meses, revelando que em 60% dos casos, quem contratou uma empresa como intermediária para ter o nome limpo não conseguiu ter o problema resolvido. De modo geral, 9% dos inadimplentes contrataram o serviço de alguma dessas empresas para conseguir sair do cadastro de devedores.

O presidente da CDL Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, lembra que para deixar o cadastro de inadimplentes, não há outra maneira além de negociar e quitar a dívida e que para isso não há necessidade de pagamento de taxas e muito menos da intermediação de empresas ou especialistas.

– Só tem um jeito de “limpar o nome” no SPC Brasil ou na Serasa: pagando a dívida. Muitas pessoas que enfrentam dificuldades financeiras podem querer acreditar que uma empresa possa fazer uma dívida desaparecer, sem que ela tenha sido quitada ou negociada. Só que isso não existe e infelizmente tem quem faça promessas impossíveis e cobre várias taxas para fazer esse “milagre” acontecer. Depois o consumidor acabará descobrindo que pagou a essa empresa e continua inadimplente – alerta Luiz Felipe.

Segundo os dados da pesquisa, considerando os entrevistados que não tiveram o nome limpo pela empresa contratada, apenas 28% conseguiram recuperar todo o dinheiro, sendo que a maior parte não teve o valor devolvido (37%) ou apenas parte da cobrança foi reembolsada (34%). Entre os entrevistados que contrataram empresas para limpar o nome, a maioria (56%) nem sabe ao certo o quanto pagaram por este serviço, e entre os que sabem, 36% pagaram quantias que variam em até R$ 1 mil.

A facilidade de encontrar empresas que façam esse tipo de serviço pode ser identificada pelo meio que os consumidores as encontraram: um terço (33%) descobriu a empresa pela internet, seguida por indicação de amigos e parentes (31%). Outras formas também usuais foram os anúncios em jornais (13%), ter passado em frente a empresa (12%) e até mesmo a abordagem direta da empresa (7%) ou distribuição de panfletos (4%). Segundo a pesquisa, 48% dos entrevistados mostram-se arrependidos e avaliam que não valeu a pena ter contratado esse tipo de assessoria para se livrar das dívidas.

A CDL Petrópolis lembra que o melhor caminho para sair do endividamento é a negociação com o credor, sem intermediários. Só assim é possível ter certeza de que todo o dinheiro gasto está sendo empregado diretamente para quitar as dívidas em atraso. Além disso, ao tratar diretamente com o credor, o consumidor pode obter melhores condições, como descontos e prazos maiores, por exemplo.

A pesquisa entrevistou 602 consumidores residentes em todas as regiões brasileiras, com idade igual ou superior a 18 anos, de ambos os sexos e de todas as classes sociais, atuais inadimplentes ou ex-inadimplentes há no máximo 12 meses. A margem de erro é de 3,99 pontos percentuais para uma confiança de 95%.

73% dos consumidores vão presentear no dia das mães, mas só 10% gastarão mais do que em 2016

Pesquisa divulgada pela CDL Petrópolis aponta que 14 bilhões de reais serão injetados na economia na segunda melhor data do ano para o varejo, mas a palavra de ordem é economizar.

Segunda data comemorativa mais importante para o varejo nacional tanto em volume de vendas como em faturamento, o Dia das Mães de 2017 deve fazer com o que sete em cada dez (73%) brasileiros realizem pelo menos uma compra no período. Os dados são de uma pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em todas as capitais. Embora o percentual de consumidores que devem ir às compras seja elevado, a maior parte dos compradores está receosa para aumentar gastos na comparação com o ano passado, procurando manter o orçamento livre de dívidas. Apenas 10% desses consumidores disseram que têm a intenção de desembolsar mais com os presentes. A maior parte (38%) planeja gastar a mesma quantia que em 2016, enquanto 27% pensam em diminuir. Os consumidores que não vão comprar presentes representam 25% da amostra e os indecisos são 2%.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, ressalta a importância dessa data para o varejo.

– Essa pesquisa estima que, aproximadamente, 109 milhões de consumidores devem presentear nesse dia das mães e aponta uma injeção de quase 14 bilhões de reais nos setores de comércio e serviços. É um segundo natal e nesse cenário de crise, constatar que 70% dos brasileiros vão às compras traz certo ânimo ao empresariado, mesmo sabendo que a maioria não vai gastar mais do que no passado – afirma Luiz Felipe.

A necessidade de economizar é a razão mais mencionada por aqueles que pretendem gastar menos no Dia das Mães, citado por 46% desses entrevistados. Outras justificativas são dificuldades financeiras (29%), o cenário econômico instável e aumento da inflação (23%) e o endividamento (14%). Dentre a minoria, que pretende aumentar os gastos com presentes, o desejo de comprar um produto melhor (43%) e o encarecimento dos presentes (40%) são os mais mencionados. Apenas 20% disseram que vão gastar mais porque tiveram melhoria na renda.

O pagamento a vista será o meio mais utilizado pelos consumidores, citado por 65% da amostra, sendo que em 58% dos casos o pagamento será em dinheiro e em 6%, no cartão de débito. O cartão de crédito será usado por 23% dos entrevistados, seja em parcela única (7%), em várias parcelas (14%) ou no cartão de loja (2%). Entre os que dividirão as compras, a média é de quatro prestações por entrevistado.

Considerando a soma de todos os presentes adquiridos, o gasto médio do brasileiro no Dia das Mães deve girar em torno de R$ 127, sendo que entre os indivíduos da classe C esse valor cai para R$ 112. Mais da metade (52%), contudo, não sabe o quanto irá gastar com os presentes, o que evidencia o comportamento cauteloso do consumidor.

Neste ano, os produtos mais procurados serão as roupas (26%), perfumes (20%), calçados (11%), cosméticos (8%) e flores ou chocolates (7%). Produtos com ticket médio mais elevado, como eletrodomésticos e smartphones, tiveram apenas 5% e 3%, respectivamente, das preferências.

A pesquisa foi realizada pelo SPC Brasil e pela CNDL no âmbito do ‘Programa Nacional de Desenvolvimento do Varejo’ em parceria com o Sebrae. Foram ouvidos, pessoalmente, 849 consumidores de ambos os gêneros, acima de 18 anos e de todas as classes sociais nas 27 capitais do país. Para avaliar o perfil de compra, foram considerados 600 casos da amostra inicial que têm a intenção de comprar presentes. A margem de erro dessa amostra é de no máximo 4,0 pontos percentuais e a margem de confiança é de 95%.

38% dos consumidores negativados no SPC Brasil culpa o desemprego

Pesquisa divulgada pela CDL Petrópolis aponta que 4 em cada 10 consumidores incluídos no SPC Brasil atribuem descontrole financeiro à perda do emprego. Metade da inadimplência está nos cartões de crédito

 

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com consumidores negativados, ou que estiveram nesta situação nos últimos 12 meses, investigou quais são as dívidas em atraso e o que essas pessoas estão fazendo para negociar a dívida e recuperar o crédito. Os dados mostram que quatro em cada dez inadimplentes e ex-inadimplentes (38%) vivenciaram essa situação devido ao desempregoOutros motivos citados foram diminuição de renda (31%), empréstimo de nome para terceiros (17%) e salário atrasado não pago (10%). O valor médio da dívida de quem está ou esteve com o nome no SPC Brasil é de 2.918,09 reais, sendo maior entre os homens (3.536,22 reais) e entre as pessoas das classes A e B (3.857,42 reais).

Para o presidente da CDL Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza essa é uma situação na qual, segundo ele, todos perdem.

– É muito preocupante o quadro atual porque a diminuição da renda do consumidor, o desemprego e os atrasos nos pagamentos de salários refletem diretamente no comércio. Nós precisamos vender e conceder crédito, assim o desenvolvimento econômico e social se faz. Os empresários do comércio precisam vender e receber e para isso é necessário que o consumidor tenha acesso ao crédito, mas antes de tudo é preciso que ele tenha emprego. Nessa conjuntura de crise, perdemos todos, inclusive o governo, que deixa de arrecadar com impostos – afirma Luiz Felipe.

Entre os que quitaram ou pretendem quitar a dívida, a principal estratégia é recorrer a acordos com os credores (34%), cortes no orçamento (22%) e gerar renda extra por meio de bicos (18%). Os gastos mais citados quando se fala em cortes foram idas a bares ou restaurantes (36%), compras de peças de vestuário ou calçados (34%) e lazer (34%). Entre os que possuem mais de uma conta em atraso, a prioridade é quitar conta de cartão de crédito, loja ou crediário para usar o crédito novamente (24%). Foram citadas como prioridade também as contas de menor valor (23%), contas com taxa de juros mais altos (19%) e com o valor final mais alto (18%).

Cartão de crédito – O levantamento indica também que o cartão de crédito é o motivo da inadimplência de metade dos entrevistados (50%), principalmente entre as pessoas com 55 anos ou mais, (66%), seguido de crediários, carnês e cartões de loja (26%) e empréstimos (21%).

Além disso, uma quantidade significativa de pessoas não sabe quantas parcelas contratou no momento de realizar a compra, com destaque para dívidas com cartão de crédito (49%), empréstimos (35%) e crediários, carnês ou cartões de loja (35%). Além disso, 41% de pessoas não sabem quantas parcelas deixaram de pagar do cartão de crédito, 38% contrataram empréstimos e também não têm este conhecimento, assim como 31% dos que possuem dívidas com crediários, carnês ou cartões de loja que ignoram o número de parcelas não pagas.

Segundo a pesquisa, 69% dos entrevistados tomaram alguma atitude quando descobriram que estavam negativados, sendo que procurar o credor (27%), mudar hábitos para conseguir pagar a dívida (24%) e procurar birôs de crédito (15%) foram as principais. Além disso, sete em cada dez (72%) dos que pagaram ou pretendem pagar tentaram negociar a dívida com o credor, tendo feito 2,3 contatos em média.

A modalidade mais comum escolhida entre os que pagaram ou pretendem pagar a dívida é o pagamento à vista (34%), seguido de parcelamento no carnê ou crediário (28%) e parcelamento no cartão de crédito (10%). Entre os que escolheram pagamento parcelado, 45% estão ao menos com uma parcela em atraso, sendo que 55% não sabem com certeza a quantidade de parcelas que devem. Entre os que sabem, a média é de quase 4. Os principais motivos interrupções dos pagamentos são: desemprego (27%), diminuição de renda (25%) e falta de dinheiro devido à falta de planejamento no orçamento (17%).

A pesquisa entrevistou 602 consumidores residentes em todas as regiões brasileiras, com idade igual ou superior a 18 anos, de ambos os sexos e de todas as classes sociais, atuais inadimplentes ou ex-inadimplentes há no máximo 12 meses. A margem de erro é de 3,99 pontos percentuais para uma confiança de 95%.

Inadimplência em Petrópolis permanece estável

Números de fevereiro de 2017 divulgados pela CDL Petrópolis apontam que o número de inclusões no banco de dados do SPC Brasil se mantém praticamente o mesmo registrado em fevereiro de 2016

 

Os números de contas não pagas que foram incluídas no sistema do SPC Brasil em fevereiro é menor apenas em 5 registros na comparação com o mesmo período do ano passado. Em fevereiro de 2016, 1.136 contas não pagas foram incluídas no banco de dados, contra 1.131 inclusões agora no mesmo mês de 2017. Esses números apontam para a estabilidade da inadimplência na cidade que, no entanto, continua alta, conforme explica o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza.

– Considerando o nosso mercado consumidor, um número superior a mil registros mensais no SPC Brasil ainda é alto e preocupante. A estabilidade pode sinalizar uma esperança de melhora no futuro, mas nós sabemos que a crise é profunda e se os empregos não forem recuperados, a tendência é que a inadimplência se mantenha elevada – Alerta Luiz Felipe.

Outro dado revelador é o índice de consultas com restrições que o sistema da CDL Petrópolis apurou. Em fevereiro de 2017, de todas as consultas realizadas pelo SPC Brasil na cidade, 34,27% apresentaram algum tipo de problema que pode ter impedido a concretização da venda. Esse dado, lembra Luiz Felipe, ao mesmo tempo em que aponta o quanto a CDL Petrópolis e o SPC Brasil ajudaram os empresários da cidade a se protegerem de uma futura inadimplência, também revela que muitos consumidores enfrentam dificuldades com o seu cadastro e com seu crédito o que, em última análise, é ruim para o mercado que precisa oferecer crédito e vender com segurança.

Nos últimos três meses, os números do SPC Brasil em Petrópolis são os seguintes: 1.083 registros e 681 exclusões, em dezembro de 2016; 1.346 registros e 435 exclusões em janeiro de 2017 e 1.131 registros e 413 exclusões em fevereiro de 2017.