Perdas do comércio com a pandemia pedem medidas urgentes de socorro às empresas, defende CDL Petrópolis

Os últimos números negativos divulgados pelo IBGE e pela Secretaria de Fazenda do Estado sinalizam a necessidade de um plano nacional de ajuda às empresas do comércio de bens e serviços

A notícia divulgada no último dia 13 de maio pelo IBGE mostrando que as vendas no comércio caíram 2,5% em março, na comparação com o mesmo período de 2019, a informação da Secretaria de Fazenda do Estado do Rio de Janeiro dando conta da queda de 36% nos valores das vendas informadas nas Notas Fiscais Eletrônicas emitidas entre 1º de março e 25 de abril e uma recente pesquisa da Fecomércio que aponta queda de 50% nas vendas do comércio do estado do Rio de Janeiro mostram não somente os efeitos da pandemia da Covid 19 na economia, mas sinalizam também a necessidade da implementação rápida de medidas de ajuda às empresas.

         Essa é a avalição da Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis diante da gravidade tanto do avanço dos contágios e mortes pelo novo Coronavírus, quanto do fechamento de empresas e perda de empregos e renda que acrescenta uma crise econômica mundial à emergência de saúde pública. Para o presidente da CDL Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, é preciso socorro urgente.

         – É necessário pensar num plano de ajuda às empresas que envolva os governos municipal, estadual e federal. Esse socorro precisa passar pela prorrogação ou suspensão do pagamento de impostos e taxas em todos as esferas, do município ao governo federal, por um determinado período, e, especialmente, pela disponibilização de crédito barato aos micro e pequenos empresários de todo o país, especialmente via BNDES. Um crédito que chegue de verdade na ponta, sem burocracia e que permita ao empresário a segurança necessária quanto à sua capacidade de honrar esses compromissos num cenário de recessão que já se anuncia para o futuro – afirma Luiz Felipe.

         O empresário lembra que os números de queda no comércio e de desemprego no setor são, na verdade, muito maiores do que o divulgado. Os dados do IBGE, por exemplo, ainda não refletem a realidade dos prejuízos da pandemia, porque referem-se a março quando, em pelo menos metade do mês, as lojas permaneceram abertas, além de parte das perdas ter sido compensada pelo desempenho de supermercados e farmácias. Quanto aos números divulgados pela Secretaria de Fazenda do Estado, o empresário destaca que as perdas do varejo foram de impressionantes 41%.

         O presidente da CDL Petrópolis aponta ainda que o comércio da cidade tem contribuído com o esforço do poder público para reduzir o contágio e as mortes da Covid-19, atendendo às medidas restritivas implantadas pela prefeitura, porque está consciente da gravidade da situação, do alto índice de contágio e letalidade provocada pelo vírus, além das dificuldades do sistema de saúde. No entanto, afirma Luiz Felipe, é urgente que as autoridades olhem também para a emergência econômica que afeta diretamente empresários e trabalhadores do comércio local.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *