CDL Petrópolis realiza encontro do setor empresarial com o secretário Vinícius Farah

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis (CDL) realizou, nesta quarta-feira (07/07), uma reunião de representantes do setor comercial e empresarial com o Secretário Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais do Estado do Rio de Janeiro, Vinícius Farah. O objetivo foi apresentar as demandas da cidade no setor de desenvolvimento e conhecer os projetos que estão sendo elaborados em prol da retomada econômica do Estado e do município.

O encontro, liderado pelo presidente da CDL Petrópolis, Cláudio Mohammad, também contou com a presença do prefeito interino, Hingo Hammes; do presidente do Sicomercio, Marcelo Fiorini; do secretário da Turispetro, Samir El Ghaoui; além de demais representantes da CDL e de outras entidades ligadas ao turismo, empreendedorismo e ao empresariado local.

Em sua apresentação, Farah falou de seu maior objetivo como secretário, explicando que a desburocratização dos processos públicos para as empresas é um de seus focos. De acordo com o secretário, está em estudo a criação de 12 agências de desenvolvimento nas diversas regiões do Estado, visando atender os empreendedores, facilitar os trâmites empresariais e criar uma linha direta de contato entre o Estado, o município e os investidores que pretendem abrir ou expandir seus negócios.

O Vinícius Farah também se comprometeu a intervir junto a Agência Estadual do Fomento (AgeRio) para a criação de linhas de crédito permanente específicas, visando dar fôlego para o principal setor de Petrópolis, o turístico. “A ideia é oferecer créditos para a rede hoteleira, gastronômica e demais áreas ligadas ao turismo, para que a cidade possa voltar a crescer, gerar empregos e retomar sua economia”, explicou o Secretário Estadual. Outro comprometimento do secretário foi promover um dia inteiro de ação direta da AgeRio em Petrópolis, para o atendimento presencial a empresários e comerciantes que tentaram linhas de crédito através do site da Agência mas, por algum motivo, estão com seus pedidos parados ou sem análise. “Vamos fazer uma força tarefa para destravar esses pedidos e liberar o processo para quem realmente está apto a receber os recursos. Isso irá ajudar e muito na retomada da cidade”, declarou Farah.

Em sua fala, o presidente da CDL Petrópolis, Cláudio Mohammad ressaltou que se faz necessária uma política para a atração de novas indústrias para Petrópolis. “Nos últimos anos, perdemos muitas fábricas e temos diversos espaços ociosos, que poderiam estar gerando empregos e movimentando a economia da cidade. Precisamos reverter essa situação urgentemente”, declarou ele. Sobre esse assunto, alguns pontos foram levantados, como a busca por uma lei de incentivo fiscal (ICMS) específico para Petrópolis para atrair grandes indústrias e, ainda, a apresentação de um Manifesto de Interesse, a ser construído pela representatividade empresarial e pelo poder público para ser apresentado ao Estado, a fim de apresentar a cidade de Petrópolis como um destino atrativo para as indústrias. – Foi um encontro muito produtivo e importante para a cidade de Petrópolis. Estreitar os laços com o poder público é o primeiro passo para que os empreendedores, comerciantes e empresários em geral da cidade possam expor seus anseios e demandas e, assim, conquistarem melhorias para a economia local – concluiu o presidente da CDL Petrópolis, Claudio Mohammad, afirmando que irá dar seguimento aos assuntos tratados no encontro em conjunto com as demais entidades empresariais.

Encontro propõe alteração em emenda do Código de Posturas sobre bancas

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis sediou, nesta terça-feira (06/07), um encontro entre seu presidente, Claudio Mohammad, representantes dos proprietários de bancas de jornais, do Sicomercio, Iphan, da Associação de Guias Turísticos e dos gabinetes dos vereadores Octavio Sampaio e Yuri Moura. O objetivo foi discutir as emendas parlamentares apresentadas pelo vereador do Psol ao projeto de modificação do Código de Posturas Municipal e propor um novo texto que esteja em consonância com os interesses dos lojistas e dos donos de bancas.

A reunião foi a terceira de uma rodada de debates que vem sendo realizada sobre o tema, desde que o texto que altera o Código de Posturas apresentado ao Legislativo pelo prefeito interino, Hingo Hammes, recebeu emendas que autorizariam as bancas de jornais a ampliarem sua gama de produtos o que, segundo os lojistas, poderiam conflitar com o comércio local, principalmente no Centro Histórico.

De acordo com o novo texto proposto pela CDL Petrópolis, seriam diferenciadas as autorizações de vendas nos bairros e no Centro. “A proposta é que nos bairros a gama de produtos seja mais ampla. Já no Centro histórico, as bancas podem focar em produtos voltados para o turista, tais como guias e souvenirs”, explicou o presidente da CDL Petrópolis, Cláudio Mohammad, lembrando que, desta forma, as bancas não confrontariam com o comércio do Centro e ainda preencheriam uma lacuna que existe nos bairros, com a falta de locais que comercializem produtos mais diversificados.

Após a leitura do texto proposto pelo vereador e o debate de cada inciso, as ponderações dos presentes foram anotadas e as sugestões serão encaminhadas para a apreciação do vereador proponente, Yuri Moura. Ao todo, além do artigo indicado pela CDL, treze tipos de produtos propostos na emenda foram recomendados a serem retirados do texto. “A CDL Petrópolis sempre assume a postura de dialogar com todos os setores, buscando um consenso do que se faz melhor para a economia da cidade, para os petropolitanos e para a cidade de uma forma geral, seja no aspecto comercial, seja no turístico”, completou Claudio Mohammad.

Uma nova reunião está agendada para a tarde do dia 12 de julho, na Câmara de vereadores, para dar seguimento às discussões.

CDL Petrópolis e Sebrae firmam parceria para o Programa Mais Brasil

Através de uma pareceria firmada entre o SEBRAE e a CDL Petrópolis, temos o prazer de convidá-los para participar do programa Brasil MAIS.
Trata-se de uma iniciativa para ajudar você, dono de micro e pequena empresa, a revolucionar o seu negócio.

As empresas participantes receberão o acompanhamento técnico de Agentes Locais de Inovação para auxiliar no aprendizado de como aumentar a capacidade gerencial do seu negócio.

Aproveite essa oportunidade.
Inscreva-se GRATUITAMENTE e torne sua empresa mais competitiva! Acesse
https://cutt.ly/inscreva-se_cBrasil_Mais

Nova lei prorroga o Pronampe

A Lei nº. 14.161 de 02/06/2021, alterou a de nº. 13.999 de 18/05/2020, permitindo o uso do Programa Nacional de Apoio à Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe).

Com a alteração, as micro e pequenas empresas poderão utilizar-se do programa de forma permanente, podendo, assim, buscar consolidação de suas economias e, consequentemente, dos Municípios, Estados e da União.

Dentro do programa, desde o seu lançamento, possibilita acesso a linha de crédito de até 30% da receita bruta anual da empresa, calculada com base no exercício anterior, desde que tenham mais de um ano de funcionamento.

Para as com menor tempo de atividade, o percentual estabelecido pela Lei poderá ser de até 50% do seu capital social.

A lei também possibilitou a prorrogação das parcelas vencidas e/ou vincendas dos emprestimos realizados até 31/12/2020, por até um ano, desde que solicitado pelo empresário.

A medida entrou em vigor a partir de 04/06/2021. 

A integra da Lei poderá ser acessada no seguinte link:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2021/lei/L14161.htm

Pesquisa aponta boa expectativa de vendas para o Dia das Mães

Levantamento nacional realizado pela Confederação das CDLs e pelo SPC Brasil mostra que 77% dos consumidores devem presentear nessa data

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis acaba de divulgar uma pesquisa realizada em todas as capitais do país pela Confederação Nacional das CDLs e pelo SPC Brasil apontando que 77% dos consumidores devem realizar pelo menos uma compra no Dia das Mães, data considerada como a segunda melhor do ano para o comércio de bens e serviços. Esse número é superior à expectativa de 2020 que ficou em 68% e próximo dos 78% observados em 2019, antes da pandemia.

Apesar disso, a pesquisa revela também que os consumidores estão receosos em aumentar gastos em 2021. Cerca de 34% dos consumidores esperam gastar menos do que no último ano, enquanto 30% planejam gastar o mesmo valor. Entre os que pretendem gastar menos, 40% citaram o cenário econômico pior que no último ano, 37% disseram que estão com o orçamento apertado e 28% mencionaram as incertezas quanto ao cenário econômico e finanças pessoais. Por outro lado, considerando os que vão gastar mais (24%), 53% disseram que querem dar presentes mais caros, 50% irão comprar um presente melhor e 32% têm intenção de compensar a situação de isolamento social da pandemia.

Para o presidente da CDL Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, o setor tem uma visão realista sobre as dificuldades do momento, mas espera que o Dia das Mães possa trazer algum alento para o comércio.

– Em primeiro lugar, o comércio de Petrópolis espera poder continuar aberto, tomando todos os cuidados sanitários para preservar a vida nessa pandemia, especialmente nessa semana que antecede o dia das mães. Sabemos que a crise econômica é grave e o desemprego está alto, mas esperamos também que a motivação de presentear as mães e esposas movimente o setor e essa data possa ser comemorada ainda que à distância – afirma Luiz Felipe.

Em números absolutos, a expectativa é de que aproximadamente 122,9 milhões de brasileiros presenteiem alguém este ano, o que deve movimentar uma cifra próxima de R$ 24,3 bilhões nos segmentos do comércio e serviços. A pesquisa ainda revela que no Dia das Mães deste ano, os produtos campeões de venda devem ser as roupas, calçados e acessórios (49%), perfumes (42%), cosméticos (28%) e chocolates (21%). O ranking ainda é formado por flores (18%), maquiagem (14%), utensílios de cozinha (12%) e celular/smartphone (11%).

CDL Petrópolis espera que o comércio não precise fechar novamente

Entidade  aguarda a reabertura do comércio na sexta-feira esperando que o período de restrições tenha ajudado a desafogar o sistema de saúde

O decreto municipal 060 de 04.04.21 prorrogou até o dia 08.04 as medidas restritivas impostas ao comércio considerado não essencial, mas também estabeleceu que as lojas desse segmento possam  reabrir a partir de sexta-feira, dia 09. Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva Souza, o setor alimenta a esperança da não adoção de medidas tão restritivas no futuro.

– É importante frisar que nós temos plena consciência da gravidade da pandemia em nossa cidade e dos perigos que um sistema de saúde em colapso representa, mas queremos crer que essas restrições ao funcionamento das lojas, tão difíceis para empresários e seus colaboradores,  não precisem ser adotadas novamente – afirma Luiz Felipe.

   Segundo o empresário, os lojistas estão conscientes do seu papel no esforço para redução do contágio pelo novo Coronavírus, seja na adoção de medidas sanitárias como o uso do álcool em gel e o respeito ao distanciamento social, seja no cumprimento dos decretos municipais, por mais difícil que seja.

  – Nós fazemos a nossa parte e temos uma preocupação grande com a vida das pessoas, empresários, clientes ou colaboradores, mas também buscamos preservar a saúde financeira dos negócios. Para isso, precisamos de um ambiente seguro para que as pessoas possam voltar a consumir, além da reedição de medidas de proteção social como aquelas ligadas à manutenção dos empregos, através da suspensão dos contratos de trabalho e outras medidas de alívio na carga tributária, da mesma forma que esperamos que o poder público municipal iniba as aglomerações, especialmente no transporte coletivo, e acelere a vacinação para que a vida volte ao normal o mais rápido possível – concluiu Luiz Felipe. 

Prorrogação do pagamento do Simples Nacional já trará algum alívio para os empresários, acredita CDL Petrópolis

Medida anunciada pelo Governo Federal adia por três meses o pagamento do tributo e ainda permite parcelamentos

O Comitê Gestor do Simples Nacional aprovou medida que adia o pagamento dos tributos do Simples Nacional referentes a abril, maio e junho de 2021, que deverão ser recolhidos a partir de julho deste ano. Para o presidente da CDL Petrópolis, essa medida que beneficiará microempresas e MEIs poderá, de alguma forma, ajudar os empresários nesse momento difícil por conta da pandemia da Covid-19.

  – A grande maioria das empresas do comércio de bens e serviços da cidade é micro e está no regime do Simples. Esse adiamento de tributos, a exemplo do que ocorreu no ano passado já traz algum alívio, mas é preciso muito mais. É preciso que os governos estaduais e municipais também façam a sua parte e que o governo federal pense em outras medidas capazes de ajudar as empresas e também as pessoas, a exemplo de um auxílio emergencial mais significativo e duradouro e das medidas de proteção aos empregos que aliviam a folha de pagamento das empresas, como aconteceu no ano passado – afirma Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, presidente da CDL Petrópolis.

O empresário lamentou que o país tivesse atingido a triste marca das 300 mil mortes por Covid-19 e disse ainda que, conforme manifestado pelas entidades representativas do comércio, como a Confederação Nacional das CDLs, em carta aberta à nação, todos esperam que o país acerte os rumos do combate à pandemia com ações efetivas que protejam a vida das pessoas e a saúde financeira das empresas, especialmente quanto à agilidade da vacinação em massa.

Os tributos do Simples vencidos em abril de 2021 poderão ser pagos em julho e agosto com metade do valor em cada mês; o vencimento de maio, fica para setembro e outubro de 2021, com metade em cada mês e as obrigações de junho poderão ser pagas em novembro e dezembro, também com metade em cada mês.

CDL Petrópolis vê com alívio prorrogação do prazo do Pronampe

Após pedidos do empresariado, Governo Federal anunciou a prorrogação por mais três meses do prazo de carência dos empréstimos do Pronampe

Os empréstimos obtidos através do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) tinham prazo de carência de oito meses que estavam para vencer agora, com o agravamento da pandemia da Covid-19, os empresários pediam que esse prazo de carência fosse prorrogado. Nesta terça-feira, 09 de março, o Governo Federal anunciou que está atendendo aos pedidos e aumentando o prazo de carência por mais três meses.

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, essa medida representa um grande alívio especialmente para o comércio.

– Nossas dificuldades são inúmeras. O fim do auxílio emergencial, a demora na vacinação e o aumento dos casos da Covid-19, com a possibilidade concreta de adoção de novas medidas de restrição para tentar conter o avanço do contágio tem impedido que muitas empresas, especialmente as micro e pequenas, se recupere. Aqueles que conseguiram acesso ao Pronampe teriam muitas dificuldades para começar a pagar os empréstimos agora se o prazo de carência não fosse prorrogado. Essa medida, pleiteada pela Confederação Nacional do Comércio, entre outras entidades, nos traz sim um grande alívio – avalia Luiz Felipe.

A mudança na carência dos empréstimos foi aprovada pela assembleia de cotistas do Fundo de Garantia de Operações (FGO) atendendo a uma sugestão da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia e assim que a ata da reunião for publicada as instituições financeiras serão comunicadas. Quem desejar estender o prazo de carência, então, deverá entrar em contato com o banco onde tomou o empréstimo.

Entre as medidas de socorro às empresas em 2021, o Ministério da Economia estuda ainda a possibilidade de utilizar neste ano cerca de R$ 2 bilhões em recursos do Pronampe não usados em 2020, além de negociar com o Senado a liberação de mais R$ 4,8 bilhões para ajuda às empresas por conta do agravamento da Pandemia.

CDL divulga pesquisa que aponta importância da reforma tributária

Levantamento mostra que mais da metade dos brasileiros acredita que o sistema tributário brasileiro atrapalha os negócios

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis acaba de divulgar um levantamento inédito, realizado pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e pelo SPC Brasil, em parceria com a Offer Wise Pesquisas, mostrando que mais da metade dos brasileiros (56%) acredita que o sistema tributário atual não é adequado para fazer negócios no Brasil. O estudo mostra que apenas 17% acreditam que o modelo de tributação em vigor é adequado, e 27% não souberam responder.

O presidente da CDL Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza acredita que esta pesquisa deixa muito clara a necessidade urgente da análise e aprovação da reforma tributária junto ao Congresso Nacional.

– Já passou da hora do legislativo aprovar uma reforma capaz de modernizar e simplificar o sistema tributário do Brasil. Essa pesquisa mostra o que nós, empresários, já sentimos na pele há tempos. Os tributos no Brasil são muitos e complexos, atrapalham os negócios e nesse cenário de crise econômica causada pela pandemia isso ficou muito mais evidente, seja pela dificuldade para honrar os compromissos com o Fisco, seja pela necessidade de investir em sistemas de controle num cenário de queda das vendas – afirma Luiz Felipe.

O presidente da CDL Petrópolis lembra ainda que o tema da reforma tributária deveria envolver mais a população. Com respeito às normas da democracia, um assunto tão importante quanto o sistema de impostos de um país deveria mobilizar a todos, não apenas os políticos, mas também os empresários, as instituições e a sociedade como um todo.

Uma informação relevante que a pesquisa da CNDL aponta, com relação a isso, é que apenas um terço dos entrevistados (33%) afirma estar mais ou menos informado a respeito da reforma tributária em discussão no Congresso. Outros 33% estão pouco ou nada informados, e somente 26% se dizem informados ou muito informados. Diante disso, a CDL Petrópolis espera que as propostas de reforma tributária sejam divulgadas à população, debatidas, analisadas e que os congressistas aprovem mudanças que modernizem o sistema tributário nacional.

Crescimento tímido do comércio em 2020 mostra dificuldades do ano, mas aponta capacidade de resistência do setor, afirma CDL Petrópolis

Segundo o IBGE, vendas cresceram apenas 1,2% em 2020, porém o varejo ainda apresenta o melhor resultado comparado à indústria e serviços

O IBGE divulgou nesta quarta-feira, 10 de fevereiro, que as vendas do comércio varejista fecharam 2020 com crescimento de 1,2% na comparação com 2019, a quarta alta consecutiva do setor. Ainda que os números sejam muito tímidos, especialmente porque as vendas do mês de dezembro, normalmente altas, apresentaram uma queda de 6,1%, comparado com o mês de novembro, o setor se destaca na comparação com a indústria e os serviços.

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrópolis, Luiz Felipe Caetano da Silva e Souza, embora o natal de 2020 tenha sido muito difícil para o setor, o que impressiona e dá uma certa esperança é a capacidade de resistência do setor no ano atípico da pandemia.

– Esse resultado de crescimento, ainda que seja muito baixo, serve como alento porque 2020 foi muito complicado para o setor. Se considerarmos o desastre do mês de abril com mais de 17% de queda e o desempenho ruim em dezembro, chegar ao final do ano com esse crescimento de 1,2% é uma mostra muito clara de que o comércio varejista, tão afetado pelas medidas de restrição para combate à Covid-19, é um setor capaz de puxar a recuperação da economia brasileira – afirma Luiz Felipe.

 Para o presidente da CDL Petrópolis é muito importante agora o controle da pandemia através da vacinação em massa para que as atividades econômicas retornem à normalidade. Depois é preciso combater o desemprego que atingiu níveis preocupantes e outro fator que merece atenção é o combate à inadimplência nesse cenário de dificuldade econômica.

A importância do comércio varejista para a economia do país fica muito evidente quando se compara o desempenho das vendas do setor em 2020 com a performance da indústria que acumulou uma queda de 4,5%, segundo o próprio IBGE. Isso sem falar no setor de serviços, o mais afetado pela pandemia, mas cujo balanço anual ainda não foi divulgado.          A pesquisa do IBGE aponta ainda que todas os setores do comércio apresentaram queda em dezembro e que no chamado comércio varejista ampliado, que inclui veículos, peças e materiais de construção 2020 fechou em queda de 1,5%, o primeiro recuo anual em quatro anos.